27.5.18

dvd - SESSÃO ANOS 80 vol.2


O primeiro box foi uma surpresa daquelas. O segundo, lançado este mês, é ainda melhor, traz 4 filmes que eu tava doidinho pra ter em casa, Dois deles já apareceram no blog, no post ''por onde anda esse filme?''. Desta vez a embalagem é toda de papel, não tem nenhuma caixa de plástico. São dois discos e quatro cards com os posters originais.

 

Caramba, A PRIMEIRA TRANSA DE JONATHAN (1985) tá no pacote. O filme não é exatamente sobre a primeira vez do cara. A trama se passa na década de 1950. Jonathan faz amizade com seu novo vizinho (insuportavelmente bonitão) Gene. Ele faz o tipo rebelde com um bom coração. Gene promete que vai ajudar Jonathan a perder sua virgindade com a garota que ele gosta. Ao mesmo tempo, Gene se apaixona por uma moça comprometida. É um filme sobre moças e rapazes, e relacionamentos complicados.

Em UM SALTO PARA A FELICIDADE (1987), a ricaça Goldie Hawn perde a memória e é resgatada pelo carpinteiro Kurt Russell. O cara quer se vingar da moça, que o tratou muito mal. Ele conta que ela é sua esposa, e mãe de seus quatro filhos peraltas. Mais um filme família do diretor Garry Marshall.

SEM LICENÇA PARA DIRIGIR (1988) traz os dois Coreys. Corey Haim fracassou na auto escola e não conseguiu sua licença. Mas ele não conta a verdade para os amigos. Então Corey Feldman o convence a sair de carro para uma noite de farra. Acontece de tudo com os garotos. Eles tentam manter o carro intacto, mas encontram valentões, são assaltados, e tem uma moça bêbada desmaiada no porta malas. Classicão.

DIGAM O QUE QUISEREM (1989) é aquela deliciosa comédia romântica com o fofinho do John Cusack levantando o aparelho de som bem alto. Ele não sabe que carreira quer seguir após a formatura, nem sequer pensa nisso. E acaba se envolvendo com uma moça que já tem todo o futuro planejado pelo pai. Ela vai estudar na Inglaterra em algumas semanas, então o romance dos dois já começa com os dias contados.

Nos extras você encontra uma entrevista com o diretor Cameron Crowe. Cenas deletadas de ''sem licença para dirigir'' e cenas deletadas de ''digam o que quiserem''.
 

DÊ UMA CHANCE PARA ...


Em 2005, todo mundo tava de olho no Judd Apatow, que escreveu e dirigiu ''O virgem de 40 anos''. O filme foi um sucesso. Mas naquele ano, havia outro filme, escrito pelo cara, nas telas. AS LOUCURAS DE DICK & JANE é um remake de ''Adivinhe quem vem para roubar'' de 1977, com Jane Fonda e George Segal. Na versão de 2005 temos o Jim Carrey (vestido de Cher na foto) e a Téa Leoni (vestida de Sonny).
O casal tem uma boa vida, Dick acaba de ser promovido e Jane resolve deixar seu emprego por conta disso. Mas o chefe de Dick, o Alec Baldwin, dá um golpe e todos na empresa perdem o emprego e também as ações. Dick passa semanas tentando arrumar outro trabalho, a grana começa a ficar curta, mas eles fazem de tudo para esconder isso dos vizinhos. 
Eles vendem todos os móveis, ficam sem água e sem energia. E correm o risco de perderem a casa também. Desesperado, Dick resolve se tornar um assaltante de mercadinhos. Quando Jane decide ajudá-lo, os dois começam a alugar fantasias para os assaltos. A vida do crime é excitante e divertida. Eles recuperam a boa vida, mas ainda querem dar uma lição no ex patrão de Dick.
Um dos melhores momentos do Jim Carrey, sem apelar pro humor cartunesco, ele tá bem ''normal''.
 

26.5.18

O MELHOR E O PIOR DAS VERSÕES DE CINDERELA

CINDERELA (1950)
Eu não sou muito fã da animação porque a Disney tinha dificuldades com personagens humanos naquela época. Eu nunca fiz as contas, mas me parece que os animais (tipo os ratos) têm muito mais tempo na tela, a moça não aparece muito. Mas tem uma divertida fada madrinha no pedaço, com uma canção-tema chiclete, ela salva o filme.



CINDERELA (2015)
Disney novamente, e eu adorei o filme. Pegando o desenho animado de 1950 como ponto de partida, o live action traz uma trama mais rica. A personagem se chama Ella (Cinderela se torna um apelido maldoso), conhecemos sua mãe e seu pai. Sua madrasta (Cate Blanchett nota dez) tem uma história também. E a moça conhece o príncipe antes do baile. Pena que a fada madrinha, Helena Bonham Carter, tem pouco tempo na tela. Mas tudo bem, isso faz a heroína aprender a se virar sozinha.


 
PARA SEMPRE CINDERELA (1998)
Drew Barrymore não quis saber de mágica. Ela é a pobre moça que deu origem ao conto mágico. E ela sofre um bocado nas mãos da madrasta Anjelica Huston (melhor vilã ever!). Muito antes da Disney, lá estava Drew (como Danielle) conhecendo o príncipe antes do baile, mas nada de amor à primeira vista e casamento no dia seguinte. O famoso Leonardo da Vinci aparece no filme e dá uma de fada padrinho. O mais legal do filme é que a gente finalmente vê a vilã recebendo o que merece no final.


CINDERELA ÀS AVESSAS (1987)
Não é uma versão do conto, mas o título br não está errado. Jessie é uma riquinha mimada que envergonha seu pai com seu comportamento irresponsável. Ele até chega a desejar que nunca tivesse tido uma filha. Surpresa!!! uma fada madrinha ouviu o cara e realizou seu pedido. Quando Jessie acorda no dia seguinte, ela não é ninguém. Sem casa, sem cartões de crédito, ela é obrigada a trabalhar como empregada numa mansão. A fada quer ensinar Jessie a ser uma pessoa mais humilde. Jessie também vai aprender a ajudar o próximo.


 
UMA LINDA MULHER (1990) 
Até mesmo o filme admite que existe uma certa semelhança com a história de Cinderela. Julia Roberts é uma prostituta. Ela entra no carro de um ricaço, Richard Gere (ai ai), que só estava de passagem pela rua. Ele acaba gostando tanto da companhia da moça que lhe oferece uma nota preta para ela ficar com ele por alguns dias. O filme se tornou um padrão para todas as comédias românticas que vieram depois. E Julia conseguiu sua primeira indicação ao Oscar.





NO FUNDO DO POÇO
Eu não vou mencionar aquela vergonha nacional chamada ''Cinderela baiana'' porque aquilo não tem nada a ver com o conto. Eu vou falar de CINDERELO SEM SAPATO (1960). Eu era criança, eu gostava do filme. Mas agora que ele foi finalmente lançado em dvd ..., cara, vi que o Jerry Lewis perdeu uma oportunidade de fazer uma coisa legal. Nessa versão masculina do conto temos momentos musicais nada inspirados e a trama se arrasta bastante. O final é muito apressado e sem graça. Só vale a pena pelo divertido fada padrinho.

blu-ray - A FORMA DA ÁGUA


O grande vencedor do Oscar deste ano. Das 13 indicações, faturou apenas 4, mas levou melhor filme e melhor diretor. O filme surgiu na época certa, é protagonizado por uma mulher, ela tem um amigo gay e uma amiga negra (o trio foi indicado ao Oscar), e tem aqueles lances que o público atual vive cobrando. Tem algumas homenagens à era de ouro do cinema e é também um conto de fadas moderno. Tem gostinho de cinema independente, em nenhum momento tenta ser um blockbuster. 
Um filme que tem tudo no lugar e na dose certa. A Academia gostou do filme mas o povo não muito. O filme foi chamado de ''grotesco'', ''bestial'', se fosse um homem se apaixonando por uma mulher peixe, o povo perdoaria até a cena de sexo, numa boa. Não é uma história de amor convencional, é um filme de fantasia, as pessoas que detestaram o filme irão detestá-lo pelo resto da vida e pronto. Se você conseguiu enxergar alguma magia na tela, legal, metade dessa magia veio de você mesmo, que curte um amor sem fronteiras.
O disco tá cheio de extras, tem um especial sobre a criação da história e um making of da cena de dança.

FUCK YEAH, CHRIS HEMSWORTH!


ANATOMIA DE 6 POSTERS INCRÍVEIS







trailer - CHRISTOPHER ROBIN

25.5.18

em cartaz - HAN SOLO


Esse filme teve um parto difícil, mas não foi adiado, a Disney prometeu um Star Wars por ano e tá cumprindo essa promessa. HAN SOLO teve problemas com o roteiro, trocou de diretor, e teve aquela história de que o ator principal precisava de aulas de atuação. Bem, no resultado final, temos quase uma colcha de retalhos formando a trama do filme. Eu gosto do Ron Howard (tirando os filmes da série ''código da Vinci'' é claro) mas esse filme tem sérios problemas com o ritmo. Alguns momentos, que não ajudam no desenrolar da trama, são longos demais. E outros, que poderiam ajudar no desenvolvimento da história e dos personagens, são curtos demais. O ator principal tá ok, só ok.

- Temos um vilão misterioso no filme. Você vai molhar as calças quando ele aparecer.


A trama se passa num intervalo de tempo após o episódio III (a vingança dos Sith) e antes do seriado Star Wars Rebels (isso é importante). O jovem Han consegue escapar da sua miserável vida em Corellia se alistando no Império. Três anos depois, ele encontra o personagem do Woody Harrelson durante uma batalha. O cara não faz parte do Império, seu grupo está infiltrado no pedaço, tentando roubar coisas de valor. Han se torna parte de sua equipe. O bando trabalha para um chefão do crime e o próximo trabalho deles consiste em roubar um valioso carregamento.
Aí pinta o Chewie, o Lando, a Falcon ... aquela história que a gente já ouviu antes. E também vários easter eggs, mas são easter eggs do universo expandido, nunca vi nada igual. Então, eu acho que pra gostar do filme, tem que ser fã da saga, mas ele também pode dividir alguns fãs. Tirando o ritmo cansativo e a trilha sonora chata (John Williams fez falta), o filme é legalzinho, tem uma mega surpresa perto do final. Não é AQUELE star wars, mas algumas coisinhas se salvam.


FICHA TÉCNICA

TÍTULO ORIGINAL: solo, a star wars story
ANO: 2018
PAÍS: eua
DURAÇÃO: 2h 15min
DIRETOR: Ron Howard
ELENCO: Alden Ehrenreich, Joonas Suotamo, Woody Harrelson, Emilia Clarke, Donald Glover, Thandie Newton, Phoebe Waller-Bridge, Paul Bettany e Jon Favreau
ESTREIA BR: 24 de maio


NA POLTRONA

10min - alistamento
30min - assalto ao trem pagador
1 hora - apostando uma nave




24.5.18

ANATOMIA DE UM POSTER JAPONÊS

CHRISTOPHER ROBIN, UM REENCONTRO INESQUECÍVEL
(chega em agosto)
 

23.5.18

PRIMEIRA IMPRESSÃO

BOY ERASED (2018)


O FILHO DE UM PADRE É OBRIGADO
A PARTICIPAR DE UM PROGRAMA DE AJUDA
 DA IGREJA QUE ''CURA''
HOMOSSEXUAIS. 


DIRIGIDO POR
JOEL EDGERTON
COM NICOLE KIDMAN E RUSSELL CROWE